Um ano com São José

Neste ano dedicado a São José iremos juntos a cada mês aprofundar no conhecimento e na intimidade com o glorioso São José

retraite du 19 mars 2021 au 19 déc. 2021

Em boa hora, o Papa Francisco instituiu o Ano de São José, de 08 dez 2020 a 08 dez 2021, em comemoração aos 150 anos da proclamação de São José como Patrono da Igreja, pelo Papa Pio IX, 08 dez 1870. Os Papas sempre recomendaram uma devoção profunda a São José, especialmente nas horas difíceis da vida da Igreja. Não é sem razão que a Igreja, no meio da Quaresma, tira o roxo, no dia 19 de março, e coloca o branco na liturgia, para celebrar a festa de São José, esposo da Virgem Maria. E no dia 1º de maio celebra São José patrono dos trabalhadores. Deus escolheu o glorioso São José para ser pai adotivo de Seu Filho divino e humano. E Jesus lhe era submisso; aqui é o Filho que adota o Pai, uma adoção às avessas.

Jesus começou a obra da Redenção da humanidade pela família, por isso quis ter um pai adotivo, legal, nutrício. Tornava-se necessária a presença de alguém que projetasse, na terra, a própria “sombra do Pai”. “O Senhor escolheu para Si um homem segundo o seu coração” (1 Sm 13,14).

Mas, por que o Ano de São José?

Santa Teresa de Ávila (1515-1582), a primeira Doutora da Igreja, disse: “Quem não achar mestre que lhe ensine a orar, tome São José por mestre e não errará o caminho”. E ensinava que, em todas as suas festas, lhe fazia um pedido e que nunca deixou de ser atendida. Ensinava ainda que cada santo nos socorre em uma determinada necessidade,
mas que São José nos socorre em todas.

O grande Doutor da Igreja Santo Agostinho compara os outros santos às estrelas, mas, a São José, ele o compara ao Sol. A ele Deus confiou suas riquezas: Jesus e Maria. Leão XIII, na Encíclica Quanquam Pluries, propôs São José como “advogado dos lares cristãos”. Pio XII o propôs como “exemplo para todos os trabalhadores” e fixou o dia 1º de
maio como festa de José Trabalhador.

O que Jesus poderia negar Àquele que o serviu perfeitamente e o livrou da morte? São José foi pai verdadeiro de Jesus, não pela carne, mas pelo coração; protegeu o Menino das mãos assassinas de Herodes, o Grande e ensinou-lhe o caminho do trabalho. Jesus não se envergonhou de ser chamado “Filho do carpinteiro”. Naquela rude carpintaria de Nazaré, ele aprendeu a trabalhar até iniciar Sua vida pública, mostrando-nos que o trabalho é redentor.

Recorra a São José!

Na história da salvação coube a São José dar a Jesus Seu Nome, na circuncisão; fazê-lo descendente da linhagem de Davi, como era necessário para cumprir as promessas divinas. O Anjo disse-lhe: “Ela dará à luz um filho e tu o chamarás com o nome de Jesus, pois ele salvará o seu povo dos seus pecados” (Mt 1,21).

Em todos os tempos difíceis, os Papas pediram aos fiéis que recorressem a São José; hoje, mais do que nunca, é preciso dizer: São José, valei-nos! Falando de São José, o Papa João Paulo II, na Exortação Apostólica Redemptoris Custos (o protetor do Redentor), de 15 de agosto de 1989, disse: “Assim como cuidou com amor de Maria e se dedicou com empenho à educação de Jesus Cristo, assim também guarda e protege o seu Corpo Místico, a Igreja” (nº 1). “Hoje ainda temos motivos que perduram para recomendar a todos e cada um dos homens a São José (nº 31).
José é como alguém disse: “o servo que faz muito sem dizer nada”; o especial agente secreto de Deus. Ele é o mestre da oração e da contemplação, da obediência e da fé. São José viveu o que ensinou João Batista: “É preciso que Ele cresça e eu diminua” (Jo 3,30).

Por tudo isso, o Papa Francisco instituiu a Ano de São José, nestes tempos difíceis do mundo e da Igreja, onde ela é atacada de muitas formas e os seus filhos perseguidos em todo o mundo.

A Carta apostólica do Papa fala da pandemia da Covid-19, que nos fez compreender a importância das pessoas comuns, aquelas que, distantes dos holofotes, exercitam todos os dias paciência e infundem esperança, semeando corresponsabilidade. Justamente como São José, “o homem que passa desapercebido, o homem da presença cotidiana discreta e escondida”.

Não tenhais medo!

O Papa diz que São José expressou concretamente a sua paternidade ao ter convertido a sua vocação humana “na oblação sobre-humana de si mesmo ao serviço do Messias”. E, por isso, ele “foi sempre muito amado pelo povo cristão”. Nele, “Jesus viu a ternura de Deus”, que “nos faz aceitar a nossa fraqueza”, através da qual se realiza a maior
parte dos desígnios divinos'. José é pai também na obediência a Deus: com o seu ‘fiat', salva Maria e Jesus e ensina a seu Filho a “fazer a vontade do Pai”, cooperando “ao grande mistério da Redenção”.

Papa Francisco aponta São José como exemplo para os homens de hoje. Por meio de São José, é como se Deus nos repetisse: “Não tenhais medo!”, porque “a dá significado a todos os acontecimentos, sejam eles felizes ou tristes”.

Protetor de Jesus e de Maria, diz o Papa, São José “não pode deixar de ser o Guardião da Igreja”, da sua maternidade e do Corpo de Cristo: todo necessitado é “o Menino” que José continua a guardar e de quem se pode aprender a “amar a Igreja e os pobres”.

Por outro lado, o Papa destaca a dignidade do trabalho, mostrando o honesto Carpinteiro, o Esposo de Maria nos ensina também “o valor, a dignidade e a alegria” de “comer o pão fruto do próprio trabalho”. “É necessário tomar renovada consciência do significado do trabalho que dignifica”, que “torna-se participação na própria obra da salvação” e “oportunidade de realização” para si mesmos e para a própria família, “núcleo originário da sociedade”.

Patrocínio de São José

Diante do agravar-se do desemprego por causa da pandemia da Covid-19, o Papa pede a todos que se empenhem para que se possa dizer: ”Nenhum jovem, nenhuma pessoa, nenhuma família sem trabalho!”

A felicidade de São José, destaca o Papa, está no “dom de si mesmo”: nunca frustrado e sempre confiante, permanece em silêncio, sem lamentações, mas realizando “gestos concretos de confiança”. A sua figura, portanto, é exemplar, evidencia o Papa, num mundo que “precisa de pais e rejeita os dominadores”, rejeita quem confunde “autoridade com autoritarismo, serviço com servilismo, confronto com opressão, caridade com assistencialismo, força com destruição”.

A Carta apostólica “Patris corde” é acompanhada da publicação do Decreto da Penitenciaria Apostólica, que anuncia o “Ano de São José” especial convocado pelo Papa e a relativa concessão do “dom de Indulgências especiais”. Que cada um de nós aproveite mais esta grande oportunidade que a Igreja nos dá de recebermos bênçãos e graças especiais de Deus por meio do patrocínio de São José. Todos os dias podemos rezar o Terço de São José e a sua Ladainha, ganhando inclusive indulgências plenárias para as almas. Valei-nos São José!

Durante toda a novena você pode confiar a São José suas intenções de oração e, também, rezar por outras intenções neste link: intenções para São José.



Felipe Aquino


Professor Felipe Aquino é viuvo, pai de cinco filhos. Na TV Canção Nova, apresenta o programa “Escola da Fé” e “Pergunte e Responderemos”, na Rádio apresenta o programa “No Coração da Igreja”. Nos finais de semana prega encontros de aprofundamento em todo o Brasil e no exterior. Escreveu 73 livros de formação católica pelas editoras Cléofas, Loyola e Canção Nova.

Prière de la retraite

Pai nosso

Pai nosso que estais nos Céus, santificado seja o vosso nome, venha a nós o vosso Reino, seja feita a vossa vontade assim na terra como no Céu. O pão nosso de cada dia nos dai hoje, perdoai-nos as nossas ofensas assim como nós perdoamos a quem nos tem ofendido, e não nos deixeis cair em tentação, mas livrai-nos do mal. Amém!

Priez dès maintenant pour cette retraite en cliquant sur "je prie"