Amar a si próprio - Hozana

Amar a si próprio

Durante este advento de 2019, convidamos você a descobrir os quatro graus de amor distinguidos por S. Bernardo de Clairvaux (1091-1153), um grande monge de nosso país, e correspondente de nosso Padre S. Norbert, fundador do Ordem pré-estratensiana, que ele apresenta em uma carta como a "trombeta do Espírito Santo", que é bastante agradável! Atravessar quatro graus, isso supõe avançar em uma rota precisa, ou melhor ainda, subir as diferentes barras de uma balança, ou seja, subir. É isso que desejamos para você: deixe que este retiro online o ajude a se aproximar daquele que se abaixou em uma manjedoura em Belém.


O primeiro grau de amor de que São Bernardo fala em seu trabalho sobre O amor de Deus é o amor próprio. Você leu corretamente: para amar, você precisa começar por amar a si mesmo, o que nem sempre é o mais fácil. Nós devemos primeiro entrar no amor do que nos é dado ser, e nos apropriar dessa bela palavra do salmista: "Confesso que sou uma verdadeira maravilha" (Sl 139, 14a, TOB).


Mas isso não significa afundar em um orgulho terrível? O que não! Pelo menos, se esse amor é ajustado. Nós nos amamos verdadeiramente desde o momento em que percebemos que tudo o que somos não vem de nós, mas nos é dado por quem nos criou. É isso que o salmista buscava, cujo versículo já citado continua: "Suas obras são prodigiosas" (Salmo 139: 14b). Nós realmente nos amamos e, assim como reconhecemos que somos dados a nós mesmos, que recebemos de Deus. Só então podemos entender a afirmação de São Paulo: "Ninguém jamais levou sua própria carne à aversão" (Ef 5:29). É também nesse sentido que nosso Santo Agostinho declara: "Para todo homem, o amor começa com o amor próprio, e só pode começar com esse amor de si. Não devemos lembrar a ninguém que ele deve amar a si mesmo "(Sermão 368, IV, 4).


Como podemos ter certeza de que não estamos errados e que nos amamos porque reconhecemos que somos nossa própria origem? Um teste de verificação é possível, o que é muito simples. Veja se nosso amor nos empurra para os outros ou se nos isola. O amor verdadeiro sempre se espalha e nunca pode ficar calado, como em uma jarra. É por isso que S. Bernard, no tratado que lemos, vincula esse primeiro grau de amor ao amor do próximo: "O amor carnal se torna social quando se expande para o bem comum" (p. 0,121). Nisto, ele é fiel à mensagem do Evangelho: "Amarás o teu próximo como a ti mesmo" (Mt 22:39).


Ao longo desta semana, convidamos você a se observar e a se perguntar como se ama: você recebe de Deus ou tende a se apossar desse dom primordial da vida?

"Guardava todas essas coisas no seu coração e pensava muito nelas". Lucas 2:19

comentários

"Que as suas conversas sejam sempre agradáveis e de bom gosto, e que vocês saibam também como responder a cada pessoa". Colossenses 4:6

Dulce Maria Cardoso
place Curitiba, há 1 ano
Merci! Je vais m'aimé plus cette semaine